Notícias

Grécia fecha acordo para cortar € 11,5 bi em gastos até 2014

Por Dow Jones Newswires

A Grécia fechou um acordo de princípios para implementar medidas de austeridade de cerca de € 11,5 bilhões durante os próximos dois anos, disse ontem uma fonte do Ministério de Finanças do país europeu.

A delegação da troica - grupo formado por Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Central Europeu (BCE) - reuniu-se com o ministro de Finanças grego, Yannis Stournaras, como parte de uma revisão formal do programa de reformas da Grécia prometido em troca da ajuda financeira concedida pelas instituições.

Idoso profissional

Nelson Motta

Quando completei 60 anos e passei a desfrutar dos privilégios reservados aos idosos em filas de aeroportos e bancos, me consolei pensando que a velhice poderia ter algumas vantagens. Mas não é bem assim. Uma fila com três idosos num balcão de aeroporto pode levar mais tempo do que uma de 12 não idosos ao lado, porque os velhinhos demoram muito, adoram conversar com as atendentes. No banco, é pior ainda, com senhas esquecidas e extratos extraviados.

R$ 100 bi em pensões

País gasta valor recorde de R$ 100 bi por ano com pensão para viúvas

A marca, alcançada no ano passado, é um recorde mundial; governo prepara mudanças nas regras para concessão de pensões por morte

CÉLIA FROUFE / BRASÍLIA - O Estado de S.Paulo

Trabalhador vai receber extrato de contribuição ao INSS

Empresas terão de informar mensalmente ao trabalhador o valor da contribuição recolhida à PREVIDÊNCIA Social

Segurados também poderão pedir ao INSS extrato com o histórico completo dos pagamentos efetuados

DE BRASÍLIA
DE SÃO PAULO
As empresas serão obrigadas a informar aos trabalhadores, mensalmente, os valores recolhidos ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) sobre o total de sua remuneração.

A determinação está na lei 12.692, sancionada pela presidente Dilma Rousseff e publicada no "Diário Oficial" da União de ontem.

A cura para a síndrome do Lehman

Martin Sandbu

A maneira como os desequilíbrios da zona do euro estão sendo corrigidos está envenenando a solidariedade que a união monetária costumava ter. É que causa certo desconforto o fato desses desequilíbrios terem sido causados por investidores privados. Quando o dinheiro fluiu, por exemplo, da Alemanha para a Espanha ou para a Irlanda, isso ocorreu entre gestores de bancos de poupança, companhias seguradoras e fundos de pensão alemães e bancos irlandeses e espanhóis.

O sonho do duplo 25% do PIB

Judas Tadeu G. Mendes

É crescente o clamor da população e principalmente dos empresários a respeito de uma possível reforma fiscal (previdenciária, tributária, administrativa e trabalhista) pois, afinal, é inaceitável que um governo, que fica com 36% do Produto Interno Bruto (PIB) em tributos (são 85 tipos diferentes), invista apenas 1% em infraestrutura.

Emissões de R$ 3 milhões até junho

Instrumento fundamental no desenvolvimento de mercados de capitais e economias emergentes, os fundos de participação (venture capital e private equity) emitiram R$ 3 bilhões em cotas no Brasil neste ano, até junho, segundo dados da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Esses fundos compram participações em empresas com alto potencial de crescimento e rentabilidade, por meio da aquisição de ações ou de outros valores mobiliários (debêntures e bônus de subscrição, entre outros), com o objetivo de obter ganhos expressivos de capital a médio e longo prazo.

Previdência dos servidores públicos: lições e desafios

Jaime Mariz e Faria Júnior
Secretário de Políticas de Previdência Complementar

José Maria Rabelo
Diretor superintendente da Superintendência Nacional de Previdência Complementar

Roberto R. Rocha
Conselheiro do Banco Mundial para o setor financeiro

A recente edição da Lei nº 12.618, que cria a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal (Funpresp) permitirá a introdução de um único teto de benefícios para os dois regimes de previdência e, ao mesmo tempo, proverá aposentadoria complementar para os novos servidores da União.

Queda de juros põe fundos de pensão em 'encruzilhada'

Fundos de pensão começam a cortar taxas de retorno

Por Vera Saavedra Durão, Luciana Bruno, Thais Folego, Mônica Izaguirre e João Villaverde | Do Rio, de São Paulo e Brasília

Porque ter fundos de pensão

Suely Caldas

JORNALISTA, É PROFESSORA DA PUC-RIO

No Brasil a cultura previdenciária é quase inexistente. Não há educação nas escolas ou campanhas publicitárias estimulando os jovens a poupar desde cedo para ter uma aposentadoria digna. Se nossa taxa de poupança é baixíssima e não ajuda a financiar o desenvolvimento do País, muito é devido a esse fenômeno. Até a faixa de 40 anos as pessoas vivem o presente e só acordam para o futuro quando se aproximam dos 50. Aí o tempo para poupar é curto, um plano de aposentadoria sai caríssimo, não cabe no bolso, e o cidadão desiste.